COLUNISTAS

Congelamento de Óvulos

Entenda quando a prática vale a pena

Frequentemente, as mulheres deparam com a seguinte situação: desejam ter filhos, mas não têm um parceiro que possibilite levar adiante esse desejo. O que fazer nesse caso? O congelamento de óvulos costuma ser a primeira escolha. A chance de gravidez futura será maior quanto maior for o número de óvulos congelados. O processo é relativamente simples e consiste na utilização de medicações injetáveis para estimular o crescimento de folículos ovarianos, já que o objetivo é obter o maior número possível de óvulos viáveis em um único ciclo de tratamento. A coleta dos óvulos é realizada através de punção guiada por ultrassom endovaginal, sob anestesia. Os óvulos permanecem congelados por tempo indeterminado e podem ser descongelados quando a mulher desejar, mediante assinatura de um termo de autorização, para fins reprodutivos ou para descarte.

A idade recomendada para a realização do congelamento é dos 30 aos 35 anos. Antes dos 30, sempre existe a possibilidade de que, em curto espaço de tempo, a mulher se relacione com alguém disposto a ter filhos, tornando desnecessário o procedimento. Por outro lado, após os 35 anos, a qualidade dos óvulos começa a piorar e o número de óvulos obtidos por ciclo de tratamento tende a diminuir progressivamente. Em vez de congelar óvulos, a mulher também pode optar pelo tratamento de reprodução assistida com a utilização de espermatozoides de doador anônimo. Entretanto, ela deverá ter consciência das vantagens e desvantagens ao tomar essa decisão.

Quando a mulher já tem um parceiro, mas deseja adiar o plano da maternidade, o congelamento de embriões é mais indicado. Entretanto, o casal deve ter consciência de que nenhuma técnica de preservação da fertilidade garante a obtenção de gravidez futura. Portanto, se não existir um motivo importante que justifique o adiamento do plano de ter filhos, o casal deve repensar.

A mulher, sobretudo, deve estar bem consciente da sua opção pela maternidade, não se deixando influenciar por pressões familiares ou sociais. O acompanhamento psicológico é de grande valor quando existe dúvida sobre qual decisão tomar.

Compartilhe:

Revista Saúde e Estilo

Revista Saúde e EstiloA SAÚDE&ESTILO entra em cena para levar conhecimento e informação ao seu leitor, agregando cuidados com a mente e com o corpo e estimulando a busca por uma vida de hábitos saudáveis. Mantendo, é claro, sua visão responsável sobre longevidade.

Outras postagens de: Revista Saúde e Estilo