Saúde

GUIA COMPLETO SOBRE A VITAMINA D NA MANUTENÇÃO DA SAÚDE

Com a quarentena, a exposição ao sol diminuiu consideravelmente. É preciso suprir essa carência para garantir que síntese de vitamina D ocorra no organismo.

A vitamina D é essencial para a manutenção da boa saúde e para o funcionamento adequado do organismo. O seu poder é tão grande que ela passou a ser nomeada como hormônio D pelos médicos e cientistas.

A produção dessa vitamina acontece quando o seu corpo faz a absorção em presença de luz solar ou pela alimentação. No entanto, diante do isolamento social causado pela pandemia do novo coronavírus, essa exposição ao sol diminuiu muito nos lares brasileiros e de todo o mundo.

Mais para frente, iremos lhe contar sobre como manter os índices de vitamina D em estado ideal, mas, antes, vamos conhecer a fundo o que ela é e quais os seus benefícios.

O que é a vitamina D?

Fundamental na absorção do cálcio, ela é muito conhecida pela função de manutenção da massa óssea. Mas, além dessa função super importante, estudos científicos dão a sugestão de que ela também influencia na imunidade, por isso ficou tão visada diante da pandemia. Além desse papel, a vitamina D também tem o poder de proteger contra alguns cânceres, diabetes tipo 1, esclerose e depressão.

Ainda não existe um consenso sobre a quantidade que devemos cultivá-la em nosso organismos, mas há sugestões feitas que variam conforme a idade e também condições de saúde.

Tendo como base a Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML), podemos afirmar que os valores ideais para indivíduos em geral é que seja acima de 20 ng/mL. Quando consideramos grupos de risco tais quais idosos, grávidas, pacientes com osteomalácia, raquitismos, osteoporose, hiperparatireoidismo secundário, doenças inflamatórias, doenças autoimunes, doenças renais crônicas e suscetíveis a cirurgia bariátrica, o recomendado é que seja entre 30 e 60 ng/mL.

O grande problema é que muitas pessoas não sabem que possuem carência da vitamina D e essa deficiência da substância pode estar relacionada a grandes problemas de saúde.

Fatores de risco para a falta de vitamina D:

A carência dessa vitamina tão importante está ligada a diferentes complicações de saúde. Alguns motivos que podem originar a deficiência são:

● Baixa exposição solar;
● Quantidade de melanina na pele. Esse pigmento diminui a capacidade em
produzir a vitamina D quando em presença de sol;
● Baixo consumo de alimentos de origem animal e a falta de suplementação para
compensar;
● O mau funcionamento dos rins que ficam com dificuldade de converter a forma
ativa da vitamina, isso acontece principalmente com a chegada do
envelhecimento;
● Problemas no sistema digestório que podem atrapalhar a absorção ao
ingerirmos alimentos ricos da substância. Esse fator pode ser comum em
pessoas que são portadoras da doença de Crohn, possuem intolerância à
glúten ou fibrose cística;
● Estar com quadro de obesidade.

 

Qual o melhor tratamento para carência de vitamina D?

            O primeiro passo para identificar a falta de vitamina D no organismo é manter sempre em dia o exame de sangue. Consulte o seu médico de confiança para que ele possa analisar o seu hemograma e identificar qualquer necessidade.

Em caso de baixo nível da substância no organismo, ela poderá ser reposta através da exposição ao sol em horários seguros para a sua pele. Afinal, os raios solares podem ser perigosos para o surgimento de câncer de pele, como você pode ler neste artigo publicado pela Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Outra recomendação é a alimentação rica em alimentos que contenham a vitamina. Mas, se mesmo assim, não for suficiente, o seu médico também pode recomendar a suplementação.

Alimentos ricos em vitamina D:

            Não são todas as pessoas que tem uma varanda ou quintal em casa que permite tomar um banho de sol para a síntese de vitamina D. Nesse caso, para evitar a carência, podemos suprir a necessidade através da alimentação.

Peixes tais quais salmão, sardinha, atum, o óleo de fígado de bacalhau, cogumelo e o ovo são alguns dos alimentos ricos na vitamina. Além deles, também é possível encontrar a substância em produtos fortificados como: cereais, margarina, iogurte e leite.

Para ter um efeito ainda mais positivo, a dica é investir em uma dieta que contenha todos os grupos da cadeia alimentar em equilíbrio. Assim, proteínas, vitaminas, boas gorduras e sais minerais podem contribuir para a longevidade saudável e para a tão almejada saúde, tornando-lhe livre de infecções e se recuperando mais rapidamente de doenças.

Obtenha a vitamina em casa:

Além da alimentação saudável, você pode obter essa vitamina tão importante na prevenção de doenças em sua casa, mesmo que nela não tenha muita incidência de luz solar e também não tenha uma área grande para que você fique exposto.

Algumas dicas são deixar todas as janelas da sua casa abertas, principalmente aquelas que batem mais sol, e também aproveitar a luz para se expor pelo menos 15 minutos por dia. Mas, você também pode caminhar na garagem ou qualquer área aberta de casa se possível.

Gostou deste blog? Tome nota e compartilhe com os seus amigos e família para que possamos atingir mais pessoas com nossas informações.

 

 

 

Compartilhe:

Revista Saúde e Estilo

Revista Saúde e EstiloA SAÚDE&ESTILO entra em cena para levar conhecimento e informação ao seu leitor, agregando cuidados com a mente e com o corpo e estimulando a busca por uma vida de hábitos saudáveis. Mantendo, é claro, sua visão responsável sobre longevidade.

Outras postagens de: Revista Saúde e Estilo