ESTÉTICA

TUDO SOBRE O COLÁGENO: A PROTEÍNA DE SUSTENTAÇÃO

Com certeza, você já ouviu falar do colágeno. Se pudéssemos resumir em poucas palavras a importância dessa proteína, poderíamos dizer de forma sucinta e metafórica que ela funciona como uma cola para o corpo humano. O colágeno age de forma que une fragmentos da pele, os ligamentos e os tendões, assim como os ossos, vasos sanguíneos, a córnea e até mesmo o intestino. Dessa forma, podemos dizer que é o colágeno o responsável por manter tudo no seu devido lugar, não sendo à toa que ele compõe cerca de 30% de toda a proteína existente em nosso organismo.

Assim sendo, é possível estabelecer uma ligação direta entre o colágeno e também o envelhecimento. Dada certa idade, cerca de 30 anos, a concentração da proteína no corpo começa a diminuir, sendo assim, começa-se a surgir os primeiros sinais do envelhecimento. O aparecimento das primeiras rugas, bigode chinês e bolsas nos olhos, tornam os procedimentos estéticos, como a injeção de ácido hialurônico, tão famosos e cobiçados. Visto isso, convidamos você a conhecer mais sobre essa proteína tão importante. Siga a leitura!

Colágeno: para entender melhor

De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), o colágeno é uma proteína retirada de alguns animais, principalmente porcos, bois e peixes. Quando a extração ocorre, é necessário passar pelo processo de hidrólise, ou seja, pela quebra da molécula da proteína em presença de água. Esse feito possibilita que ocorra a absorção com mais facilidade pelo seu organismo.

Assim sendo, podemos afirmar que uma alimentação saudável e balanceada é a garantia para obter o colágeno em quantidades ideais. Porém, precisamos considerar que, por volta dos 30 anos de idade, como dito anteriormente, a perda da proteína começa a acontecer em cerca de 1% ao ano. Ou seja, a reposição pode ser necessária.

A ingestão do colágeno também é indicada para atletas de alto rendimento graças à melhora da mobilidade articular e da diminuição das dores do treino que podem ser adquiridas com um tratamento acompanhado por um médico de confiança.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia também alerta para a exposição solar aguda ou crônica que inibe o fibroblasto de produzir colágeno e aumenta a degradação das fibras já existentes. Dessa maneira, muito mais indispensável que a suplementação de colágeno é a fotoproteção rigorosa da derme com uso de filtros solares apropriados para o seu tipo de pele para, assim, evitar o envelhecimento.

Precisamos fazer um adendo também ao fato de que o estímulo à produção de colágeno pode ser obtida com procedimentos dermatológicos onde ocorre a injetação na pele da face ou do corpo de bioestimuladores da proteína, melhorando, dessa forma, a flacidez do rosto, glúteos, braços, coxas e até do abdômen.

Como ocorre a disponibilização do colágeno

A proteína que, até então, era oferecida apenas em cápsulas agora possui versões também em formato de sachê ou balas industrializadas, o que aumentou consideravelmente o consumo do composto. Podemos dizer que ele é uma proteína de caráter estrutural mais ofertada em abundância pelo corpo. Mesmo sendo encontrando com facilidade, é preciso ter bastante atenção para que os produtos sejam usados impreterivelmente com o acompanhamento de um médico, já que não são todas as pessoas que possuem indicação para consumi-lo.

O colágeno hidrolisado é capaz de reverter as perdas naturais do composto sob efeito do passar dos anos. Diversos estudos científicos já mostraram que a ingestão de 10g por dia melhora a função do fibroblasto, conhecido por ser a célula responsável pela produção da proteína em nossa nossa pele. Os indivíduos que mais se beneficiam do uso de colágeno hidrolisado são os que possuem acima de 40 anos de idade atrelada a alguma patologia osteomuscular ou que possuem uma baixa ingestão colágeno na alimentação.

Colágeno hidrolisado x colágeno não desnaturado:

Os suplementos de colágeno podem ser ingeridos de duas maneiras distintas, sendo elas as mais comuns para comercialização, na forma de colágeno tipo 1, também chamado de colágeno hidrolisado, ou o colágeno do tipo 2, conhecido como não desnaturado. Ambos os tipos possuem diferentes formas e doses a serem indicadas e prescrevidas para várias finalidades, sendo, assim, considerados suplementos distintos.

O colágeno do tipo hidrolisado é um composto retirado da parte óssea e também da cartilagem de animais, resultando na quebra de moléculas de proteína em partículas pequenas. Essa forma do colágeno é a mais comum no organismo e, devido às suas dimensões e propriedades, também é a que permite a melhor absorção pelo órgão do intestino. Dessa forma, pode ser usado com as seguintes finalidades:

– Conferir mais firmeza para a derme;
– Fortalecer as articulações;
– Fortalecer as unhas e as madeixas;
– Auxiliar no tratamento da osteoartrite;
– Auxiliar no processo de cicatrização

A suplementação pode ocorrer em conjunto com o almoço ou o jantar e também pode ser associada à ingestão de vitamina C, ideal para potencializar os efeitos do composto no corpo. No entanto, é preciso estar atento à composição do colágeno que você irá ingerir, já que alguns suplementos possuem a vitamina em sua composição. Também é preciso ressaltar, novamente, que as doses devem sempre ser prescritas pelo seu médico, já que o excesso também costuma não ser vantajoso para muitos organismos.

O colágeno não desnaturado é o composto presente em, grande maioria dos casos, na cartilagem. Ele é produzido a partir de um processo diferente do colágeno do tipo hidrolisado, ou seja, apresenta-se de forma e composição diferente. Sua comercialização está associada à tipos menos convencionais da proteína, como o tipo 3 e também o tipo 4.

Essa forma de colágeno é fundamental para o tratamento de algumas doenças, tais quais:

– Doenças articulares autoimunes, por exemplo a osteoartrite autoimune;

– Articulações com inflamações;

– Lesões presentes em cartilagens;

– Artrite reumatoide.

Nas doenças citadas acima, o próprio corpo enxerga que o colágeno está nas articulações como uma proteína estranha e fabrica enzimas que destroem a cartilagem e, como consequência, surgem os sintomas dessas doenças. As doenças autoimunes acontecem como forma do organismo proteger a si próprio de outros corpos que ele considera estranho, mesmo que eles de fato não sejam.

Dessa maneira, um dos jeitos de auxiliar o organismo a repor o colágeno que foi perdido nas cartilagens e, em essencial, minimizar os sintomas, é através do uso de suplementos a base da proteína não desnaturada, que consegue diminuir a inflamação e melhorar a saúde das articulações, consequentemente, a qualidade de vida. Este tipo de colágeno costuma ser ingerido em uma dose menor que a do colágeno hidrolisado, sendo de cerca de 40 mg uma vez ao dia, preferencialmente em jejum.

Achou este blogpost interessante? Compartilhe com alguém que também gostará de saber mais sobre o colágeno.

Compartilhe:

Revista Saúde e Estilo

Revista Saúde e EstiloA SAÚDE&ESTILO entra em cena para levar conhecimento e informação ao seu leitor, agregando cuidados com a mente e com o corpo e estimulando a busca por uma vida de hábitos saudáveis. Mantendo, é claro, sua visão responsável sobre longevidade.

Outras postagens de: Revista Saúde e Estilo